Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Vaticano \ Eventos

Card. Turkson: "paz só será possível com desarmamento integral"

Cardeal Peter Turkson rodeado por jornalistas no final da Conferência - AP

12/11/2017 17:27

Cidade do Vaticano (RV) - “Perspectivas para um mundo livre de armas nucleares e desarmamento integral” é o tema do documento conclusivo da Conferência sobre o Desarmamento Nuclear promovida pelo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral.

O evento, realizado no Vaticano sexta-feira e sábado (10 e 11/11), com a participação de líderes religiosos e políticos, vencedores do Nobel e representantes da sociedade civil e de organizações internacionais, terminou com o pronunciamento do Cardeal Peter Turkson, Prefeito do Dicastério do Vaticano, que leu as conclusões preliminares e traçou as linhas do futuro compromisso para o desarmamento, o desenvolvimento e a paz.

Documentto conclusivo é preliminar

O centro do documento é o elo entre desarmamento integral e desenvolvimento integral. Em primeiro lugar, reitera-se a condenação do uso e da posse de armas nucleares, pois são "instrumentos de guerra indiscriminados e desproporcionais", os efeitos negativos e graves na atmosfera e nos oceanos decorrentes dos testes efetuados com estas armas.

O texto menciona também as despesas com armas nucleares: um desperdício de recursos necessários para enfrentar as causas profundas dos conflitos e promover o desenvolvimento e a paz.

O Prefeito do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral afirma que “a paz é construída com base na justiça” e que “o desarmamento nuclear é um problema global que requer uma resposta global”. Como afirma o Papa Francisco, “a crescente interdependência e globalização implicam que toda resposta à ameaça das armas nucleares deve ser coletiva e concertada, baseada na confiança mútua”.

“O diálogo é essencial, um diálogo que deve ser inclusivo, envolvendo Estados nucleares e não-nucleares,  a sociedade civil, organizações internacionais, governos e comunidades religiosas. Em particular, a Igreja Católica está engajada em promover este diálogo em todos os níveis”. 

12/11/2017 17:27