Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Especiais \ Missão Continental

Bispo de Coroatá: ideia conciliar de Igreja ministerial deve ser assumida

Para o Concílio o diaconato é um ministério importante, é uma vocação na Igreja: recorda o bispo de Coroatá, Dom Sebastião Bandeira

09/11/2017 10:02

Cidade do Vaticano (RV) - Amigo ouvinte, o quadro “Nova Evangelização e Concílio Vaticano II” inicia também neste espaço de formação e aprofundamento a participação do bispo da Diocese de Coroatá, Dom Sebastião Bandeira Coêlho, que estará conosco nesta e nas próximas edições trazendo-nos suas considerações, ponderações e reflexões sobre o Vaticano II e temas afins.

Na edição de hoje o bispo desta Igreja particular do nordeste do Maranhão fala-nos sobre como a Igreja no Brasil em sua ação evangelizadora acolheu a assimilou as intuições e desafios propostos pelo Concílio.

Dom Sebastião afirma-nos, inicialmente, que o Concílio foi muito assumido pelo episcopado principalmente nos documentos da Igreja no Brasil, mas – observa ele –, “infelizmente, nas bases, ainda resta muito a ser concretizado”.

Nosso convidado cita alguns exemplos: o papel do leigo na Igreja, onde este deve ser sujeito, deve ser ouvido, valorizado, mas em muitos lugares o padre sozinho é quem decide, mostrando claramente que “a ideia do Concílio de uma Igreja ministerial ainda deve ser muito assumida concretamente no dia a dia”.

Outro desafio é a liturgia participativa, aponta o bispo de Coroatá, uma liturgia fiel ao início do cristianismo, sóbria, onde vivesse o ministério e levasse à conversão ligando fé e vida; outro desafio conciliar evidenciado é sobre os ministérios na Igreja. O Concílio resgatou, por exemplo – afirma –, o ministério do diaconato permanente, mas em muitas dioceses este ainda é visto com desconfiança. Vamos ouvir (ouça clicando acima).

(RL)

09/11/2017 10:02