Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Igreja no mundo

Qaraqosh: AIS reconstruirá convento das Dominicanas de Santa Catarina de Sena

Igreja destruída em Qaraqosh - REUTERS

08/11/2017 16:58

Bagdá (RV) - A fundação pontifícia “Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS) lança uma campanha para coletar fundos para a reconstrução do convento das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, em Qaraqosh, Iraque, destruído pelo Estado Islâmico durante a ocupação da Planície de Nínive. 

Segundo Agensir, a estrutura existia desde 1974, e quando for reconstruída acolherá cerca de vinte religiosas. “A presença das religiosas de Santa Catarina de Sena, em Qaraqosh, é muito importante para a retomada da comunidade cristã na Planície de Nínive”, disse o Diretor de AIS-Itália, Alessandro Monteduro.

“Eu as encontrei várias vezes, em Irbil, e pude ver o trabalho esplêndido que fazem, sobretudo na gestão das escolas para as crianças cristãs.” 

Na noite entre 6 e 7 de agosto de 2014, as religiões foram obrigadas a abandonar Qaraqosh, onde a congregação estava presente desde 1893, fugindo da violência dos jihadistas em Irbil. 

Nos últimos anos, “deslocadas entre os deslocados”, as religiosas permaneceram junto ao povo, ajudando os cristãos e pensando sobretudo nas crianças. As religiosas organizaram duas escolas, uma em Ankawa e outra em Duhok. 
Na primeira, realizada com a generosidade de benfeitores de AIS, estudaram mais de 500 crianças cristãs de 6 a 13 anos, este ano.

Um convite a sustentar o projeto foi feito também pelo Pe. Georges Jahola, responsável, em Qaraqosh, pela Comissão para a reconstrução de Nínive. O sacerdote sírio-católico tranquiliza em relação ao estado atual da área, após as recentes tensões entre os governos curdo e iraquiano: “As famílias estão motivadas a ficar e a reconstruir. Na maior parte da Planície de Nínive, a situação é tranquila. Somente em Telskuf e Batnaya houve preocupação nos últimos dias, depois da chegada do Exército iraquiano.” 

Pe. Jahola fez um apelo aos benfeitores italianos: “Precisamos de sua ajuda que nos dá a coragem de continuar a reconstruir e retomar a nossa vida na Planície de Nínive.” 

(MJ)

08/11/2017 16:58