Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Encontros e Eventos

Reflexões do Papa sobre o Pai Nosso na TV dos bispos italianos

Celebração da Paixão na Basílica de São Pedro - AFP

25/10/2017 08:32

Cidade do Vaticano (RV) – “Pai Nosso” é o nome do programa que vai ao ar no canal dos bispos italianos entre este 25 de outubro e 21 de novembro.

Trata-se de conversas entre o Capelão da Prisão de Pádua, Padre Marco Pozzo e diversos convidados  que falam sobre a Oração do Pai Nosso. A novidade, é a presença do Papa Francisco.

“É preciso coragem para rezar o Pai Nosso, é preciso coragem!” - começa dizendo o Pontífice – “acreditar que há um Pai que me acompanha, que me perdoa, que me dá o Pão, que está atento a tudo o que eu peço, que me veste melhor ainda do que as flores do campo”.

E para acreditar nisto, é preciso “ousar, mas todos juntos”,  por isto a importância de “rezar todos juntos, pois um ajuda o outro e ousamos”.

“Dizemos ser cristãos, dizemos ter um Pai, mas vivemos como... – não digo como animais – mas como incrédulos, sem fé e vivemos também fazendo o mal. Não no amor, mas no ódio, na competição, ou nas guerras”.

O Papa pergunta se o nome de Deus é santificado “nas jovens sequestradas pelo Boko Haram, se é santificado nos cristãos que lutam entre eles pelo poder, é santificado na vida daqueles que contratam um matador de aluguel para resolver uma situação? É santificado na vida daqueles que não cuidam dos próprios filhos? Não, Deus não é santificado ali”.

Francisco recorda os tempos de sua infância em que o pão jamais era colocado fora, pois o pão “é o símbolo desta unidade da humanidade, é símbolo do amor de Deus”. As mães, as avós, reaproveitavam de alguma forma ou outra o pão, mas jamais era jogado fora.

O Papa também conta que quando era Bispo em Buenos Aires, a imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima visitou a capital argentina e foi celebrada uma Missa para os doentes em um grande estádio.

Ele atendia às confissões, quando ao final chegou uma senhora pequenina, portuguesa, muito simples, com “os olhos esplêndidos”. Ele disse a ela que ela que não tinha pecados e ela respondeu que todos pecamos, e que “Deus perdoa tudo”.

“E como a senhora sabe isto?”, perguntou Bergoglio. “Se Deus não perdoasse, o mundo não existiria!”, respondeu ela.

“Naquele momento tive vontade de dizer: “Mas a senhora estudou na Gregoriana?””.

Um presente inesperado!

“Quando falamos sobre isto a primeira vez – conta o Diretor da TV2000, Paolo Ruffini – ficamos fascinados com a ideia, e assustados. Fazer um programa sobre o Pai Nosso, sobre a oração com a qual Jesus respondeu aos discípulos que pediam a ele para “ensinar-nos a rezar””.

“Procurar restituir àquelas palavras, que conhecemos todos, o valor original. Tentar pela televisão refletir sobre esta oração, e redescobrir a beleza escondida, a profundidade, a atualidade. Buscar, por meio de uma série de encontros, de narrativas e histórias, os traços perdidos do Pai Nosso. Um caminho difícil. Mas sobre esta estrada temos encontros surpreendentes. E o mais surpreendente de todos foi aquele com o Santo Padre. Inesperado! Um verdadeiro presente”, disse por sua vez Padre Marco Pozza.

25/10/2017 08:32