Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Geral

Roma: brasileiros se unem à vigília de oração proposta pela CNBB

Vigília de oração pelo Brasil, em Roma, nesta quarta-feira - RV

07/09/2017 11:29

Roma  (RV) - Os brasileiros e brasileiras residentes em Roma, manifestaram uma vez mais a sua solidariedade e comunhão com a Igreja no Brasil. Na noite de quarta-feira, 06 de setembro um grupo de 40 pessoas reuniu-se na Casa Geral das Irmãs de Nossa Senhora de Lourdes, na Via Sistina em Roma, para uma Vigília de Oração. Estiveram presentes religiosas e religiosos do RBR (Religiosos Brasileiros em Roma), representantes do Colégio Pio Brasileiro, leigas da cidade de Roma e algumas religiosas de outros países solidarias com o momento vivido pelo Brasil (Itália, Portugal, Espanha, Burkina Fasso e Indonésia). 

A Vigília teve inicio com a entrada da imagem de Nossa Senhora Aparecida, trazida por Angela Gnata, leiga da equipe organizadora das comemorações dos 300 anos de Aparecida em Roma. O P. Tadeu Aguiar, Estigmatino e membro da coordenação do RBR dirigiu a celebração. Ele explica que a oração foi “organizada para responder ao apelo da CNBB por um momento de vigília em preparação às comemorações do dia da Pátria, culminando com o dia de Jejum e de oração no 7 de setembro. Nós também queremos nos unir a tanta gente no Brasil que ora pelo nosso pais neste momento tão difícil e escuro da nossa historia. Não sei se em nossa historia vivemos um momento assim tão ruim. Digo ruim porque é tão diluído e escondido. Por isso se torna muito mais perigoso, pois o inimigo é invisível. Nós queremos pedir a Deus que ele nos ajude. Como Maria no Evangelho das bodas de Cana teve a coragem de dizer a Jesus que estava terminando a alegria, terminando a esperança, nós não temos mais chão, não temos mais luz. A escuridão parece estar tomando conta e nós queremos pedir a Deus que nos ajude e nos ilumine. Que Ele nos fortaleça com o compromisso de sermos instrumentos de transformação de nosso pais”.

A Ir. Eli Benatti, Lurdina da comunidade anfitriã, afirma que da vigília brota para o Brasil “um sonho de unidade e comunhão com todos os que mais sofrem devido a toda esta realidade de dor. É também um sonho de alegria. Nós sonhamos juntos que podemos vencer quando estamos unidos. Se o Brasil todo estiver unido nós teremos forças para vencer aquelas dificuldades, superar a divisão e dizer não a tudo aquilo que é injusto, que fere, que mata e que tira a vida”.

Ao ser perguntado sobre o que a comunidade do Colégio Pio Brasileiro pede para o Brasil o P. Geraldo Maia, reitor do Colégio disse: “nós queremos pedir que o Brasil consiga superar esta crise forte, crise de valores, ética, econômica e politica que nós estamos atravessando. Momentos como este causam uma situação de muita injustiça e violência em nosso pais. Nós queremos superar tudo isso. Que Nossa Senhora Aparecida nos ajude a encontrar caminhos de superação dessa forte crise que o nosso Brasil atravessa”.

Também esteve presente a Ir. Sonia Matos, das Adoradoras do Sangue de Cristo, que depois de 12 anos de serviço no governo geral, prepara suas malas para retornar ao Brasil no inicio de outubro. Para ela “a vigília significa estar em comunhão com o momento que o Brasil vive, nessa atitude de intercessão, de pedir a Maria e com Maria para que os bens do nosso pais sejam realmente partilhados e compartilhados e possam circular para o bem de todos. Também significa manter a esperança. Nós sabemos que apesar de tudo, no fim a vida vai vencer a morte. Voltando para o Brasil tenho esta grande responsabilidade de inserir-me na minha realidade e com o povo continuar lutando para que o Brasil possa viver a partilha dos bens”. 

Após um momento de adoração a benção do Santíssimo Sacramento, a vigília se encerrou com Hino Nacional. A Ir. Paré Moreira, da Congregação do Coração de Maria disse que “pulsa dentro de nós um coração brasileiro, um coração que ama essa pátria, esse Brasil grande, rico, cheio de possibilidades, mas um Brasil que atualmente sofre e tem muitas dificuldades. Nós queremos mostrar mais uma vez que um filho teu não foge a luta. Amanhã, no grito dos excluídos pelas ruas do Brasil, o povo vai demonstrar o que cantamos no hino nacional: Brasil, verás que um filho teu não foge a luta!”, concluiu ela. 

P. Arlindo Pereira Dias, svd
Roma - Italia

 

07/09/2017 11:29