Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Igreja no mundo

Paquistão: Igreja proclama 2018 Ano da Eucaristia

O Ano da Eucaristia no Paquistão terá início em novembro próximo

05/09/2017 18:22

Lahore (RV) - “Queremos tornar a Eucaristia o centro de nossa vida cristã, de nossas famílias e nossas casas.” 

Com este espírito, a Igreja Católica no Paquistão celebra 2018 como o “Ano da Eucaristia”. 

Segundo a Agência Fides, “a notícia foi dada pelo Bispo de Multan, Dom Benny Travas, Presidente da Comissão Litúrgica da Conferência Episcopal do Paquistão.

A ideia nasceu da participação de uma delegação paquistanesa no Congresso Eucarístico Internacional realizado, em Cebu, nas Filipinas, em janeiro do ano passado. “Foi uma experiência tocante. Queremos reviver este espírito no Paquistão. Todos os bispos de nossa conferência aprovaram a ideia de proclamar 2018 o “Ano da Eucaristia”, disse o bispo.

O tema do evento é “Eu sou o pão da vida”, extraído do Evangelho de São João. A inauguração solene se realizará de 24 a 26 de novembro deste ano, em Karachi, com a celebração eucarística na catedral de São Patrício. Serão realizados programas e iniciativas no âmbito diocesano. A celebração de encerramento se realizará, em Lahore, de 21 a 24 de novembro de 2018.

Um Comitê organizador, formado por um representante de cada diocese, se ocupa em preparar programas e subsídios pastorais. Dom Travas sugere, por exemplo, “a adoração eucarística em cada paróquia, encontros e catequeses para os jovens, famílias, escolas e crianças”.

“A vida dos cristãos no Paquistão é uma vida eucarística, pois diante dos sofrimentos, violências e discriminações, continuam agradecendo e louvando a Deus. Esta força e este espírito vêm do colocar a Eucaristia como fonte e ápice da vida pessoal de cada fiel que vive em nosso amado país”, frisou Dom Travas. 

Em agosto passado, foram assassinados três cristãos, no Paquistão, por causa de controvérsias ligadas a propriedades, mas também por motivo religioso. 

“Diante da violência, o nosso comportamento é eucarístico: não se responde com o mal, mas confiando a Deus o nosso sofrimento, acolhendo a sua vontade, abençoando, agradecendo e rezando pela paz”, concluiu o bispo. 

(MJ)

05/09/2017 18:22