Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Encontros e Eventos

Papa: recursos energéticos não sejam fontes de conflitos

Expo 2017 sobre energia, em Astana, Cazaquistão - REUTERS

02/09/2017 13:53

Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco enviou uma mensagem, neste sábado (02/09),  aos participantes do Dia Nacional da Santa Sé na Expo 2017 de Astana, no Cazaquistão.

O Pontífice saúda todos aqueles que de várias maneiras colaboraram na preparação e realização desse evento, e também os visitantes numerosos.

“Estou feliz que o Cazaquistão hospede esta Exposição internacional sobre o tema ‘Energia futura’. É importante refletir com seriedade e responsabilidade as maneiras com as quais, nos próximos anos, a humanidade usará, diante das tecnologias novas e inovadores, os recursos energéticos que recebeu como dom, uma herança comum. Estamos conscientes de que dessas maneiras dependem a saúde do Planeta e o bem-estar de nossas sociedades; um bem-estar a ser entendido de forma integral, não somente como prosperidade econômica ou capacidade de consumo. Devemos fazer com que a energia seja colocada a serviço do que nos torna melhores, do que faz florescer e frutificar a nossa humanidade, que por sua natureza, é orientada para a relação, para os outros, para a solidariedade e o amor”, sublinha Francisco.

Segundo o Papa, “os recursos energéticos não devem ser deixados ao léu da especulação, e não devem se tornar fontes de conflitos. Para isso, é necessário um diálogo amplo e sincero, em todos os níveis, entre os vários setores de nossas sociedades”. 

“Energia futura não é somente uma tarefa para os pesquisadores, técnicos e investidores: o mundo da cultura, da política, da educação e religioso também são interpelados”, ressalta o Pontífice.

O Papa cita o diálogo e o consenso entre as religiões que estão se afirmando nesse país tão rico etnicamente, culturalmente e espiritualmente.

“Desejo que as várias religiões participem desse diálogo. Nesse sentido gostaria de recordar o que afirmei na Encíclica ‘Laudado si’: “Os textos religiosos clássicos podem oferecer um significado para todas as épocas, possuem uma força motivadora que abre sempre novos horizontes (...). Os princípios éticos que a razão é capaz de perceber, sempre podem reaparecer sob distintas roupagens e expressos com linguagens diferentes, incluindo a religiosa.” 

“Por isso, é importante que cada um descubra, na própria fé, as motivações e princípios que tornam possível ou favorecem o compromisso, a coragem de melhorar e perseverar, o viver juntos e a fraternidade.”

Segundo o Papa, “a maneira como usamos os recursos energéticos indica como estamos desempenhando a tarefa que, segundo muitas tradições religiosas, nos foi confiada por Deus para cuidar do Planeta em que vivemos e de nossos irmãos em humanidade, próximos ou distantes no espaço e no tempo”. 

“Se usamos a energia de forma solidária e sustentável, então estamos desempenhando bem essa tarefa. Caso contrário, não. A nossa dignidade está jogo, assim como a justiça e a paz. É esta consciência que a Santa Sé quis evidenciar com o próprio pavilhão na Expo de Astana intitulado ‘Energia para o bem comum. Cuidar da nossa casa comum’”, recorda Francisco no texto.

O Papa conclui a mensagem, pedindo a Deus para que nos ajude a extrair da Expo 2017 ensinamentos e inspirações que durem no tempo e que o Senhor abençoe o nosso compromisso comum de realizá-los.

(MJ)
 

02/09/2017 13:53