Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Geral

Dom Tomasi (Santa Sé): diálogo hoje é necessidade para viver em paz

Núncio apostólico Silvano Maria Tomasi - AP

25/08/2017 17:01

Cidade do Vaticano (RV) - “Hoje o diálogo não é mais uma opção, mas uma necessidade para viver em paz em nossas sociedades pluralistas.” Foi o que afirmou na tarde de quinta-feira (24/08) o núncio apostólico e membro do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Dom Silvano Maria Tomasi, no Encontro de Rimini, no centro-norte da Itália.

Necessidade do diálogo como estratégia não política, mas humana

“Devemos enfrentar o pluralismo de hoje em nossas sociedades com uma estratégia nova que não é a guerra ou o conflito, mas o diálogo”, explicou o arcebispo. Repercorrendo os últimos 60 anos da história da Igreja, Dom Tomasi explicou “o método do diálogo” de Paulo VI e como João Paulo II e Bento XVI reiteradas vezes evidenciaram a necessidade do diálogo como estratégia não política, mas humana que abre o coração para o encontro com o outro”.

Por fim, o Papa Francisco “na Evengelii gaudium fala de três áreas do diálogo: diálogo com os Estados, com a sociedade e com os cristãos e não-cristãos”. Recorrendo à sua experiência, o núncio apostólico falou sobre várias formas de diálogo: do diálogo que se faz na rua ao diálogo “da cultura”, do diálogo interétnico ao diálogo inter-religioso.

Diálogo, resposta humana natural que nos abre ao outro

“Por que o diálogo consegue exercer uma certa atração, ter uma atração no coração das pessoas?”, perguntou. “Parece-me existir que no coração das pessoas um impulso voltado para o outro. O diálogo é uma resposta humana, natural, que nos abre à pessoa.”

Em seguida, o representante vaticano observou que “em contextos sociais, religiosos, políticos e culturais diferentes, a identidade própria é melhor protegida quando se abre ao diálogo e se aceita o outro em sua diversidade”.

Cabe a nós escolher entre abertura e fechamento em relação ao outro

“Trata-se de ter coragem”, concluiu, sobretudo diante da “escolha entre a atitude favorável ao encontro ou ao fechamento. A escolha é de cada um de nós”. (RL/Sir)

25/08/2017 17:01