Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Geral

600 mil retornos e 800 mil em fuga: o drama do refugiados sírios

Criança no Campo de refugiados de Zaatari, na Jordânia, faz parte dos 5 milhões de sírios fugidos do país - AP

15/08/2017 16:15

Damasco (RV) – Cerca de 603 mil sírios obrigados a abandonar a própria moradia por causa da guerra civil, puderam retornar ao local de origem desde o início de 2017.

Outros 800 mil, no entanto, viram-se obrigados a fugir – alguns pela segunda ou terceira vez - dos novos combates, travados agora especialmente em Raqqa.

É o que revela um relatório da Organização Internacional para as Migrações (OIM) da ONU, divulgado nestes dias. Assim, a situação complexa dos refugiados no país martirizado pelo conflito permanece ainda dramática.

11 milhões de refugiados internos e externos

Em uma nação que no início do conflito em 2011 contava com 22 milhões de habitantes, mais de seis milhões permanecem deslocados dentro das próprias fronteiras e quase cinco milhões buscaram refúgio no exterior, a maior parte em países como Turquia, Líbano e Jordânia, mas em escala menor também no Iraque e no Egito.

Maior parte dos retornos é de deslocados internos

Segundo o último relatório da OIM, 84% daqueles que puderam retornar aos locais de origem eram deslocados internos e somente 16% eram provenientes do exterior.

Cerca de metade deles voltaram para a Província de Aleppo, uma tendência que confirma aquela registrada em 2016, quando os retornos à região foram de 686 mil pessoas ao longo de todo o ano. Deste, porém, 42 mil viram-se obrigados a fugir novamente.

Turquia

O Presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou, por outro lado, que as autoridades turcas estão permitindo a passagem em seu território de ajudas humanitárias, alimentos e materiais úteis para a reconstrução na região nordeste de Idlib, fora do controle das forças de Damasco.

Idlib

A região de Idlib é em parte controlada por milicianos da Al-Qaeda, que no final de julho haviam conseguido expulsar da área os seus rivais jihadistas pertencentes ao grupo Ahrar ash Sham.

Durante os combates entre os dois grupos, a Turquia havia fechado a fronteira, mas em 26 de julho as duas passagens de fronteira (Cilvegozu – Bab al Hawa e Oncupinar – Bab as Salama) foram reabertas para a passagens de homens e de mercadorias.

Em 21 de agosto as autoridades abrirão Cilvegozu-Bab al Hawa aos sírios residentes na Turquia que pretendem dirigir-se a Idlib para celebrar a Eid al Adha, principal festividade muçulmana, prevista para o final de agosto.

(JE – L’Osservatore Romano)

15/08/2017 16:15