Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Especiais \ Juventude

JMJ de Cracóvia: de Rio Branco a Porto Alegre, jovens renovados na fé

O grupo de Gabriel, do Acre, na JMJ da Polônia, em 2016 - RV

31/07/2017 08:00

Rio Branco (RV) – A maior dificuldade para participar de uma Jornada Mundial da Juventude é a financeira. Em se tratando do envolvimento de jovens nesse evento, os obstáculos tornam-se maiores, mas com o apoio da família, às vezes da comunidade através de ações para arrecadar recursos, a mobilização acontece sem medir esforços.

Gabriel Bastos Nardino, de 24 anos, de Rio Branco, no Acre, conta que, conhecendo a JMJ do Rio por depoimentos de amigos, decidiu encarar o desafio de participar do evento na Polônia, um ano atrás, com milhares de jovens dos mais diferentes países e culturas que estariam reunidos em Cracóvia e com o mesmo objetivo: testemunhar a fé católica e usar a misericórdia como força de ação.

Pedro Tiago da Silva, de 20 anos, é da outra ponta do mapa, de Porto Alegre/RS. Desde cedo participou da Igreja, mas foi em julho de 2011 que “resolveu pertencer a Cristo de uma forma mais intensa”, como ele mesmo conta, ao fazer parte de um grupo de oração carismática da comunidade Fraternidade Nossa Senhora da Evangelização. O grupo se mobilizou para participar da Jornada Mundial da Juventude do Rio, em 2013, e Pedro diz ter vivido uma “experiência de proporções gigantescas, rezando, adorando e louvando o mesmo Senhor Jesus Cristo com jovens de todas as partes do mundo. Foi realmente a vivência da catolicidade da nossa Igreja”, acrescentou Pedro.

“Ao fim da JMJ, como de costume, o Papa anunciou onde seria a Jornada de 2016: em Cracóvia. Eu estava em Copacabana, no local da missa. Eu não sei explicar como ou porquê, mas eu tinha certeza que iria pra Polônia.”

O jovem nos conta, em especial, os frutos espirituais dessa peregrinação: Uma das grandes alegrias foi a renovação do sentimento de pertença à Igreja. O centro da Jornada, na minha história, foi depois que o Papa passou por nós. Eu tenho certeza que Deus falaria comigo na JMJ e eu o ouviria de forma clara e certa, sobre a busca pra encontrar meu lugar na Igreja, a busca de ser aquilo que Ele sonhou desde a eternidade para minha vida. E, realmente, o Senhor cumpriu a sua promessa! O sinal foi inegável e fortíssimo. Eu senti uma grande paz, que nos bota em movimento, típica de quando sabemos que Deus está perto, de que Ele acabou de se comunicar conosco, fruto do Espírito Santo.”

Ouça o testemunhos dos jovens em reportagem especial de Andressa Collet: 

31/07/2017 08:00