Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Geral

Crônica: Cavando poços no deserto

Crônica: cavando poços no deserto - AFP

29/07/2017 09:01

Dubai (RV*) - Amigas e amigos da Rádio Vaticano, recebam uma saudação cordial das Arábias, onde os desertos constituem seu principal panorama.

As histórias bíblicas nos dão informações das andanças do povo eleito pelo deserto marcado pela escassez de água.  Sob a liderança do libertador Moisés, o povo teria preferido voltar à escravidão do Egito por causa da falta de água.

De fato, para os habitantes do deserto, encontrar  ou cavar um poço significava buscar um bem muito precioso, muito mais valioso que o próprio ouro ou pedras preciosas, pois possuindo água, tinha-se sustentabilidade e sobrevivência da vida pessoal, familiar e do clã.

Lendo a história dos patriarcas, no livro do Gênesis, conhecemos a vida no deserto do Oriente com predominância do trabalho no meio rural. Os patriarcas e suas famílias viviam da criação de animais,  sendo a água importante fonte de provisão.  A água trazia riqueza a quem a encontrasse naquelas regiões desérticas.

É nesse ambiente que as narrativas bíblicas nos dão a conhecer Isaque, um homem trabalhador, um exímio cavador de poços. Com seu pai Abraão, aprendeu a ser um homem de caráter, e cumpridor de seus deveres, tanto nas relações familiares como com outros clãs que viviam no deserto.

Com seus servos, Isaque buscava as águas nas entranhas da terra. Encontrar água cavando poços no deserto, fez de Isaque um homem riquíssimo. Tudo o que fazia prosperava. Deus estava com ele e Isaque deixava-se guiar por Ele.

Por causa disso, a Bíblia nos conta que seus inimigos o expulsaram, por diversas vezes, para apoderar-se de suas terras com os poços. Outras vezes, vinham tapá-los á noite para prejudicá-lo. Ele não desanimou.  Ao invés de entrar em conflito com os inimigos, preferia mudar de região. Assim continuou prosperando.

Depois de tantas mudanças, Isaque quis cavar um poço junto ao qual pudesse viver tranquilamente, sem a intervenção de inimigos. Por isso cavou um poço que chamou de Rehobot, que significa “amplidão”, “alargamento”, e disse: “Porque agora o Senhor nos deu o lugar onde prosperaremos na terra.” (Gênesis 26,22). Não foi assim.

A ausência de conflitos não significou que aquele seria o lugar definitivo para o clã de Isaque. Deus lhe reservava coisas maiores. Seria abençoado como um dos patriarcas a ser lembrado por Cristo.

*Missionário Pe. Olmes Milani CS, das Arábias para a Rádio Vaticano

29/07/2017 09:01