Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Especiais \ Memória Histórica

A historicidade da Ressurreição do Senhor

Papa Francisco incença ícone de Jesus ressuscitado durante celebração da Missa Pascal - AFP

05/07/2017 09:27

Cidade do Vaticano (RV) - No nosso espaço Memória Histórica - 50 anos do Concílio Vaticano II, vamos tratar no programa de hoje sobre "a historicidade da ressurreição do Senhor".

Nos programas anteriores, tratamos da renovação litúrgica trazida pela Constituição conciliar Sacrosanctum Concilium, a constituição pilar de toda a valorização e renovação dos sacramentos e, no centro disto, a Páscoa, a vigília pascal por excelência e a Eucaristia, como Mistério Pascal.

Mas quando falamos de Páscoa, falamos da Ressurreição do Senhor, fato que nas palavras do Frei Raniero Cantalamessa, "é um acontecimento histórico, em um sentido muito particular". Ela está dentro e fora do tempo, com ela, a história se abre ao que está além da história, a escatologia.

"A historicidade da ressurreição do Senhor" é o tema da reflexão do Padre Gerson Schmidt para a edição de hoje deste nosso espaço:

Depois do Concilio Vaticano II, a tônica da terceira pessoa, o Espírito Santo tem sido pauta das reflexões eclesiais. Fruto do Concílio são os novos carismas (SC, 06) e importância dada em nosso tempo para a pleumatologia – o estudo sobre o Espírito Santo. Frei Raniero diz que a ressurreição de Jesus Cristo se prova historicamente, não sendo apenas uma utopia que se levanta pelo kerigma ou uma projeção coletiva dos discípulos. Pergunta o pregador, falando ao Papa e aos padres da Cúria Romana: “O que provocou tal mudança que fez com que os mesmos homens que antes haviam negado Jesus ou tinham fugido, agora dizem em público estas coisas, fundam Igrejas e se deixam, inclusive, prender, flagelar, matar por ele? Em coro, eles nos dão esta resposta: “Ressuscitou! Nós vimos!”.

Cantalamessa diz assim: “A ressurreição é um acontecimento histórico, em um sentido muito particular. Ela está no limite da história, como aquele fio que separa o mar da terra firme. Está dentro e fora ao mesmo tempo. Com ela, a história se abre ao que está além da história, à escatologia. É, portanto, em certo sentido, a ruptura da história e a sua superação, assim como a criação é o seu começo. Isto significa que a ressurreição é um evento em si mesmo não testemunhável e atingível com as nossas categorias mentais que são todas ligadas à experiência do tempo e do espaço. E, de fato, ninguém vê o momento em que Jesus ressuscita. Ninguém pode dizer que viu Jesus ressuscitar, mas só de tê-lo visto ressuscitado”. Cristo ressuscitou na madrugada de domingo. Em qual vigília teria ele ressuscitado? Na primeira, na segunda...na aurora do dia? Não sabemos. Somente a noite foi testemunha. "Que noite tão ditosa, realmente gloriosa - canta o Exultet de Páscoa -, só ela conheceu o momento em que Cristo ressuscitou dentre os mortos!". Só a noite foi testemunha da ressurreição de Cristo.

Com efeito, ninguém foi testemunha ocular do acontecimento da Ressurreição e nenhum evangelista o descreve. Ninguém pode dizer como aconteceu fisicamente. Menos ainda, sua essência mais íntima, a passagem à outra vida, foi perceptível aos sentidos. Acontecimento histórico demonstrável não somente pelo sinal do sepulcro vazio, mas pela realidade dos encontros dos apóstolos com Cristo ressuscitado; ou melhor, como a graça é um dom – da iniciativa de Cristo de se revelar como Ressuscitado aos seus.

Os apóstolos duvidaram da ressurreição. Não acreditaram assim tão rápido, mesmo Jesus tendo predito sua ressurreição ao terceiro dia. Tão impossível lhes parece que, até mesmo colocados diante da realidade de Jesus ressuscitado, os discípulos ainda duvidam: creem ver um espírito. "Não podiam acreditar por causa da alegria e estavam assustados” – a tradução da Bíblia de Jerusalém é surpresos, relata o texto de São Lucas (Lc 24,41). Tomé conhecerá a mesma prova da dúvida e, na  última aparição na Galiléia, referida por Mateus, "alguns entretanto duvidaram" (Mt 28, 17). Até na última aparição narrada por Mateus – nos últimos versículos do seu evangelho – alguns ainda duvidam. Por isto, a  hipótese segundo a qual a ressurreição teria sido um 'produto' da fé (ou da credulidade) dos apóstolos não tem consistência. Pelo contrário, sua fé na Ressurreição nasceu sob a ação da graça divina- da experiência direta da realidade de Jesus ressuscitado.

Diz Cantalamessa: “A ressurreição, portanto, é conhecida a posteriori, em seguida. Como é a presença física do Verbo em Maria que demonstra o fato que se encarnou; assim a presença espiritual de Cristo na comunidade, evidenciada pelas aparições, demonstra que ressuscitou. Isso explica o fato de que nenhum historiador profano diga uma palavra sobre a ressurreição. Tácito, que também lembra da morte de um “um certo Cristo”(Tacito, Anais 25) nos dias de Pôncio Pilatos, cala sobre a ressurreição. Aquele evento não tinha relevância e sentido a não ser para quem experimentava as suas consequências, no seio da comunidade”.

05/07/2017 09:27