Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Igreja no mundo

Bispos do Sudão do Sul agradecem ao Papa pelo apoio ao país

As pessoas sofrem com a deterioração da crise humanitária no Sudão do Sul - ANSA

30/06/2017 20:23

Juba (RV) - “Como Presidente da Conferência Episcopal do Sudão e em nome de meus irmãos bispos, manifesto gratidão e apreço ao Papa Francisco pelo seu apoio afetuoso ao Sudão do Sul.” 

Foi o que escreveu o Bispo de Tombura-Yambio, Dom Edward Hiiboro Kussala, Presidente da Conferência Episcopal do Sudão, numa carta enviada ao Papa para agradecê-lo pelo apoio manifestado ao país que passa por uma grande provação. 

No último dia 21, o Prefeito do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson, anunciou que o “Santo Padre, não podendo ir pessoalmente ao Sudão do Sul, quis tornar tangível a presença e a proximidade da Igreja a essa população aflita, através da iniciativa ‘O Papa pelo Sudão do Sul’. Trata-se de uma iniciativa que vai ajudar, apoiar e encorajar as obras de várias congregações religiosas e organismos de ajuda internacional presentes no território, que socorrem a população e promovem o processo de desenvolvimento e paz”. 

Na missiva, enviada à Agência Fides, Dom Kussala ressalta: “Apesar do adiamento da visita pastoral do Papa Francisco ao Sudão do Sul, as pessoas sentiram sua solidariedade e o compromisso pelo país, através do apoio generoso e da doação ao país. Essa doação será muito útil para fornecer alimento aos deslocados nos campos de refugiados, conscientizar para a construção da paz e a promoção da dignidade dos marginalizados, a fim de realizar o desenvolvimento e a paz duradoura.”

O Bispo de Tombura-Yambio recorda que, desde a independência do Sudão, o Sudão do Sul teve de enfrentar vários desafios: muitas pessoas perderam a vida, os deslocados são vários e a maioria procura refúgio nos países limítrofes. Além disso, a instabilidade política impede o desenvolvimento do país. “A Igreja proclama a sacralidade da vida e a dignidade da pessoa humana como fundamento da moral e visão da sociedade”, reitera o prelado.

“Nós, como Conferência Episcopal do Sudão, estamos fortemente comprometidos em promover o princípio do bem comum, como o valor da vida humana, e aliviar os sofrimentos humanos causados por várias calamidades, como a violência, fome, seca, má distribuição das riquezas, instabilidade política e insegurança.” 

O bispo agradece ao Papa pelos vários sinais de atenção demostrados, no passado, para com o Sudão do Sul. Ficou honrado em receber a ajuda financeira doada pelo Pontífice. Ele assegura suas orações ao Papa e espera que seja reconsiderada a visita do Papa ao país africano.

(MJ)

30/06/2017 20:23