Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Igreja no mundo

Católicos, anglicanos, judeus e siques condenam atentado de Londres

Finsbury Park, mensagens de pesar - REUTERS

19/06/2017 17:18

Londres (RV) – Líderes cristãos, judeus e siques condenaram juntos e unanimemente o ataque nos arredores da mesquita de Finsbury Park, no norte de Londres.  

Um homem morreu e dez pessoas ficaram feridas no atentado, em que uma van avançou sobre fiéis por volta das 00h20 de segunda-feira (20h20 de domingo em Brasília). Havia muitas pessoas na rua que deixavam o templo, onde participaram das orações noturnas como parte do período de Ramadã, mês em que muçulmanos praticam o jejum.

Muçulmanos atacados enquanto rezavam

O Conselho dos muçulmanos da Grã-Bretanha define o ataque como efeito da ‘islamofobia’. A comunidade islâmica pede ao governo que “incremente a segurança ao redor das mesquitas com urgência”, visto que esta é a última semana do Ramadão e no fim de semana será a festividade de Eid al-Fitr”.

Anglicanos reagem com solidariedade

Repetiram-se durante o dia as declarações de participação na dor dos islâmicos. O Primaz anglicano Justin Welby, em tweet, disse que “o ataque à mesquita de Finsbury Park é repugnante. Somos solidários com nossos amigos muçulmanos e rezamos pelo morto e pelos feridos”.

O Card. Vincent Nichols, arcebispo católico de Westminster, se disse “horrorizado pelo deliberado ataque contra as pessoas que estavam deixando a oração noturna, no final de um dia de jejum” e expressou “oração e apoio à liderança da mesquita e ao Centro muçulmano do Welfare (perto da mesquita).

Nichols acrescentou que “a violência gera violência; o ódio gera ódio. Cada um de nós deve repudiá-los com palavras e gestos. Devemos ser construtores de compreensão, compaixão e paz, dia após dia, em nossas casas, no trabalho, em nossas comunidades. Este é o único caminho”.

Judeus pedem compaixão e determinação

Também o rabino-chefe da Grã-Bretanha, Ephraim Mirvis, proferiu palavras semelhantes: “Saber de um novo ataque mortal nas ruas de Londres corta o coração. Como sempre, nosso pensamento e preces estão com as vítimas. Diante desta tragédia, que cada um de nós possa responder com a mesma compaixão e determinação, para não nos dividirmos”.

Siques exigem mais firmeza do governo

A Federação dos Siques na Grã-Bretanha, por meio de seu presidente, Bhai Amrik Singh, disse: “Os incidentes dos últimos três meses indicam que precisamos de um diálogo honesto e que o governo aprimore o modo como enfrenta toda forma de ódio e terror, condenando quem promove ideologias e filosofias baseadas nisso”. 

(CM)

19/06/2017 17:18