Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Especiais \ Missão Continental

Dom João Wilk: espírito de Aparecida é sensível no magistério do Papa

Papa Francisco em Aparecida, SP, em 24 de julho de 2013 - AFP

12/06/2017 13:49

Cidade do Vaticano (RV) - Amigo ouvinte, o quadro semanal “O Brasil na Missão Continental” conclui hoje a participação do bispo da Diocese de Anápolis, Dom João Wilk, que esteve conosco estes dias neste espaço de formação e aprofundamento.

Numa de suas contribuições neste espaço o bispo desta Igreja particular de Goiás teceu-nos algumas considerações sobre o Papa Francisco e a Igreja latino-americana, afirmando-nos, entre outros, que com a presença de Bergoglio no “trono de São Pedro” a Igreja na América Latina ficou conhecida ajudando esta a ser melhor assimilada e compreendida por nossos irmãos na Europa.

Recordando que este ano celebramos dez anos da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, na edição de hoje Dom João afirma que o “Espírito de Aparecida é sensível no magistério do Papa Francisco”. Suas palavras encontram ressonância num recente artigo publicado na prestigiosa revista dos jesuítas “La Civiltà Cattolica”, em cujo número se afirma que o “ar novo que Francisco trouxe à Igreja veio de Aparecida”.

Trazemos uma breve passagem do artigo a título de ulterior corroboração e enriquecimento às palavras do nosso convidado.

“Na Igreja sopra um vento diferente, se respira um ar fresco e novo. Esta lufada de ar fresco trazida pelo Papa Francisco não é algo de improvisado ou de exclusivamente seu. Teve um precedente na Conferência de Aparecida, onde o modo de trabalho sinodal encorajado pelo Cardeal Bergoglio suscitou na assembleia a maturidade humilde de um forte consenso”, lê-se no artigo do sacerdote jesuíta Pe. Diego Fares.

“Os frutos de Aparecida foram estendidos à Igreja universal  e para muito além de suas fronteiras, graças ao impulso que o Papa Francisco deu a uma evangelização que torna o povo de Deus, em seu com junto, ‘discípulo missionário’, como queria o Vaticano II”, afirma ainda o religioso.

Pois bem, nessa mesma linha passemos agora a palavra ao bispo de Anápolis, trazendo-nos suas pertinentes considerações (ouça clicando acima).

(RL)

12/06/2017 13:49