Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Vaticano \ Eventos

Esmoleiro Pontifício coloca apartamento à disposição de migrantes

Papa Francisco (ao lado Arcebispo Krajewski) recebe sem-teto no Vaticano - RV

06/06/2017 15:38

Cidade do Vaticano (RV) – O Esmoleiro Pontifício, o Arcebispo Konrad Krajewski, é o homem de confiança do Papa Francisco para expressar a sua caridade aos mais necessitados.

Distribuição de alimentos, instalação de um dormitório, chuveiros, barbearia e lavanderia nas proximidades do Vaticano são apenas algumas das iniciativas deste polonês nascido em Lodz, em 25 de novembro de 1963.

O que pouca gente sabe, é que o prelado - que há anos está a serviço da Santa Sé – colocou seu apartamento à disposição de migrantes que fogem das regiões em guerra. Assim, há meses dorme no próprio escritório, dentro do Vaticano.

Um gesto “natural e espontâneo, mas não tem nada de heroico nisto”, diz Dom Krajewski, a quem se mostra surpreso com a sua escolha. “O Evangelho nos ensina a ajudar quem vive na necessidade, e a primeira necessidade é a moradia”, recorda.

A decisão vai de encontro ao forte apelo lançado pelo Papa Francisco durante o Angelus de 6 de setembro de 2015, para que cada paróquia, mosteiro e casas religiosas acolhessem ao menos 1 refugiado vindo da Síria ou no norte da África, fugindo da guerra e da fome.

Ao voltar da Ilha grega de Lesbos, onde foi encontrar refugiados, Bergoglio trouxe três famílias, que ficaram até há pouco hospedadas na Paróquia Santa Ana, no Vaticano, e mais tarde na Comunidade Santo Egídio.

O Arcebispo acolhe em seu apartamento – dentro das muralhas leoninas – grupos de imigrantes, oferecendo a eles hospitalidade até que consigam se tornar independentes e encontrar uma moradia mais definitiva.

“Há algumas semanas – conta Dom Krajewski – chegaram outras famílias e, a coisa bonita, é que pela primeira vez, na minha casa, nasceu uma bela menina. E eu confesso, me sinto um pouco como um avô, um tio. É a vida que continua, dom de Deus”. (JE)

 

06/06/2017 15:38