Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Geral

Namíbia: Concluída 12ª Assembleia Geral da Federação Luterana Mundial

Delegada aguarda início dos trabalhos da Assembleia em Windhoek - AP

17/05/2017 17:58

Windhoek (RV) -  “Uma extraordinária oportunidade para afirmar que a Comunhão luterana é um dom compartilhado por muitos e que tem a missão de testemunhar Cristo no mundo com alegria, para dar graças ao Senhor”.

Assim foi definida a 12ª Assembleia Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), realizada de 10 a 16 de maio em Windhoek, capital da Namíbia.

Dedicada ao tema “Libertos pela graça de Deus”, o encontro contou com a participação de 324 delegados, provenientes de 98 países, representando os 145 membros da FLM, além de muitos convidados que, com a sua presença, reafirmaram mais uma vez o quanto os luteranos estão comprometidos na unidade visível da Igreja.

Nigeriano eleito novo Presidente

Durante os dias do encontro os participantes rezaram, debateram, votaram, compartilharam experiências locais de diálogo, martírio, acolhida, agradecendo ao Senhor pelos dons nas respectivas comunidades.

Também procurou-se traçar percursos de comunhão com os quais viver a tradição luterana no século XXI e promover uma missão sempre mais compartilhada entre os cristãos.

Na ocasião também foi escolhido o sucessor do bispo palestino Mounib Younan: trata-se do Arcebispo nigeriano Musa Panti Filibus.

Construir novas pontes com o mundo islâmico

O tema da reconciliação da memória foi um dos pontos mais discutidos pelos participantes, mesmo porque o encontro da Federação Luterana Mundial realizou-se na Namíbia, nação onde ainda é muito viva a lembrança das violências perpetradas pelos alemães no tempo da ocupação colonial, motivo pelo qual existe entre Alemanha e Namíbia um específico caminho de reconciliação.

O compromisso com o diálogo foi reafirmado também na perspectiva de construir sempre novas pontes com o mundo islâmico.

Deste ponto de vista, com grande favor, foi avaliado o recente acordo de colaboração com a Islamic Relief Worlwife, que marca a abertura de uma nova estação nas relações entre luteranos e muçulmanos, para uma cultura de acolhida e solidariedade.

Favorecer o crescimento da comunhão cristã

As três articulações – salvação, seres humanos, criação “não à venda” – por meio dos quais foi aprofundado o tema da Assembleia, levaram à redescoberta, na centralidade da vida e na missão da Igreja, da ideia da gratuidade da salvação, assim como o próprio Lutero havia indicado com palavras que não somente permanecem de grande atualidade, mas favorecem o crescimento da comunhão na FLM e, de forma mais geral, o ecumenismo.

Não à comercialização da fé

Precisamente em nome desta tradição, o encontro da FLM reiterou que são rejeitadas todas as formas de “comercialização” da fé e condenadas a violência e a marginalização, principalmente quando estas dizem respeito às mulheres.

A este respeito, pediu-se às Igrejas-membro que ainda não procedem à ordenação, de repensar esta decisão à luz do que é feito nas 119 comunidades luteranas onde atuam pastoras.

A atenção em relação a uma sempre mais ativa presença das mulheres na vida da Igreja manifestou-se também na escolha de confiar o sermão da abertura à Pastora Elena Mondarenko, da Igreja Evangélica Luterana da Rússia europeia, e o de encerramento à Pastora Lydia Posselt, da Igreja Luterana nos Estados Unidos.

Custódia da Criação

Amplo espaço foi dado ao tema da custódia da Criação, que interpela os luteranos a vencer a tentação – muitas vezes alicerçada em interpretações equivocadas das Sagradas Escrituras – de agir como senhores da criação a quem tudo é permitido.

A atitude correta, assim, seria a de uma relação com o mundo vivida como “humildes servos”, que agem com responsabilidade pensando no amanhã e no bem comum.

A reflexão sobre a custódia da Criação ajuda também a combater as tantas desigualdades - tema que foi muito debatido – e para o qual foi pedido um maior empenho em nível global, além daquilo que já é feito pelas comunidades locais.

Cristãos chamados a anunciar o amor de Deus

De Windhoek, como se pode ler na mensagem final, os luteranos relançaram assim a ideia de que, precisamente porque libertos pela graça de Deus, os cristãos são chamados a anunciar “o amor repleto de alegria” e a servir o próximo, fazendo a experiência cotidiana da acolhida do outro.

(L’Osservatore Romano – JE)

17/05/2017 17:58