Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Geral

Arcebispo nigeriano eleito novo Presidente da Federação Luterana Mundial

Dom Munib Younan felicita Dom Musa Panti Filibus, que o substitui à frente da FLM - AP

15/05/2017 19:50

Windhoek (RV) – O Arcebispo nigeriano Musa Panti Filibus é o novo Presidente da Federação Luterana Mundial, eleito em substituição ao Bispo palestino Munib Younan.

A escolha do novo líder dos luteranos ocorreu durante os trabalhos da 12ª Assembleia Geral que se concluirá na terça-feira (16/05) em Windhoek, capital da Namíbia.

Este é o segundo Presidente da Federação Luterana Mundial proveniente da África, depois de Josiah Kibira, que esteve à frente da Federação de 1977 a 1984.

A escolha dos delegados provenientes de todas as partes do mundo é significativa, visto premiar, por um lado, o crescente peso específico do continente africano dentro da Comunhão luterana, e por outro, o grande trabalho desenvolvido nos anos de pastoreio por Dom Filibus, quer dentro do próprio país martirizado por ataques do grupo terrorista Boko Haram, quer no âmbito internacional, desempenhando os papeis de Secretário do Departamento para as Missões e o Desenvolvimento da África e com o empenho na política inclusiva de gênero, nas bases da Federação Luterana Mundial.

Dom Musa Panti Filibus – que permanecerá no cargo por sete anos (até 2024) – falou em seu discurso de posse sobre os desafios para os próximos anos: “O meu sonho – disse ele – é o de uma Federação sempre mais protagonista no âmbito diaconal, ao enfrentar as grandes tragédias de nosso tempo, a partir dos milhões de refugiados obrigados a fugir das próprias terras por causa das guerras ou das mudanças climáticas”.

Protagonistas – completou – também e sobretudo graças aos jovens, que “devem tornar-se os atores primários da vida de cada Igreja particular” e às mulheres que “devem ser finalmente reconhecidas em igualdade com os homens, sem mais o pesadelos das violências de gênero”.

(L’Osservatore Romano – JE)

15/05/2017 19:50