Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Geral

Dom Fisichella: com Jubileu, Papa deu forte impulso à vida da Igreja

Papa Francisco com Dom Rino Fisichella - ANSA

03/05/2017 17:12

Cidade do Vaticano (RV) - Com a convocação do Jubileu, “o Papa Francisco deu um forte impulso à vida de toda a Igreja”. Essa é a convicção do presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, Dom Rino Fisichella, expressa numa “lectio” esta quarta-feira (03/05) na Universidade dos Estudos (Link Campus Universidade) de Roma.

O arcebispo citou as palavras conclusivas da bula “Misericordiae vultus” com a qual o Papa Francisco convocou o Jubileu:

“Neste Ano Jubilar, que a Igreja se faça eco da Palavra de Deus que ressoa, forte e convincente, como uma palavra e um gesto de perdão, apoio, ajuda, amor. Que ela nunca se canse de oferecer misericórdia e seja sempre paciente a confortar e perdoar. Que a Igreja se faça voz de cada homem e mulher e repita com confiança e sem cessar: « Lembra-te, Senhor, da tua misericórdia e do teu amor, pois eles existem desde sempre ».”

“Este Jubileu não tem um particular prazo de validade ao qual referir-se”, recordou o prelado: “Foi realmente ‘extraordinário’ porque se colocou fora de todo e qualquer circuito temporal e histórico para provocar a viver a própria essência da Revelação de Deus”.

De fato, acrescentou, a misericórdia “não é uma ideia abstrata, mas uma realidade concreta com a qual Deus revela o seu amor. O rosto de Cristo torna-se o emblema da pregação da Igreja e a credibilidade dela no mundo contemporâneo está propriamente nesse testemunho”.

Segundo o presidente do dicastério vaticano para a nova evangelização “o Papa Francisco permitiu que neste Jubileu as obras de misericórdia corporal e espiritual fossem redescobertas na pregação e na vida diária:

“Elas foram durante séculos o patrimônio da vida da Igreja, mas, infelizmente, foram esquecidas. Certamente os cristãos sempre viveram também inconscientemente de tais obras. Este foi o tempo para redescobri-las e revivê-las num contexto cultural profundamente transformado e com novos rostos de pobreza e de violência.” (RL/Sir)

03/05/2017 17:12