Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Vaticano \ Eventos

Dom Urbańczyk: armas nucleares criam falsa sensação de segurança

A Santa Sé pede a abolição das armas nucleares - EPA

02/05/2017 19:49

Viena (RV) - “As armas nucleares criam uma falsa sensação de segurança”, disse o Observador Permanente da Santa Sé na ONU, em Viena, Áustria, Dom Janusz Urbańczyk, ao Primeiro Comitê Preparatório para 2020 de Revisão do Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP). A conferência teve início, nesta terça-feira (02/05), em Viena, e prossegue até o próximo dia 12. 

O prelado recordou que quando a Santa Sé aderiu ao Tratado de Não Proliferação Nuclear, em 1971, quis contribuir nos esforços para promover “a segurança, a confiança recíproca e a cooperação pacífica nas relações entre os povos”. “Também hoje, a presença da Santa Sé no Comitê preparatório é movida pelo desejo de trabalhar por um mundo livre de armas nucleares”, observou Dom Urbańczyk.

“Porém, os esforços da comunidade internacional de utilizar o Tratado para tornar o mundo mais seguro, até agora não foram suficientes. A Santa Sé exorta os Estados a fazerem passos concretos a fim de alcançar “o objetivo final de abolição das armas nucleares. Está pronta para se comprometer, de forma construtiva, neste processo. A paz deve ser reconhecida como uma virtude ativa que requer o esforço de cada indivíduo e da sociedade como um todo”. 

“Uma ética de fraternidade e coexistência pacífica entre as pessoas e entre os povos, segundo a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz deste ano, não pode basear-se na lógica do medo, da violência e do fechamento, mas na responsabilidade, no respeito e no diálogo sincero”. “Nesta mensagem, o Pontífice fez um apelo em prol do desarmamento, da proibição e abolição das armas nucleares”. “A dissuasão nuclear e a ameaça duma segura destruição recíproca”, acrescentou o Papa, “não podem fundamentar este tipo de ética”. 

“A Santa Sé, além de apoiar esforços e negociações em prol da criação de um instrumento juridicamente vinculador para proibir as armas nucleares, acompanha com preocupação a situação na península coreana. A Santa Sé apoia os esforços da comunidade internacional para relançar as negociações sobre a desnuclearização e paz.” 

Dom Urbańczyk concluiu, afirmando que “exortação dirigida às autoridades políticas não é somente a de garantir a segurança aos próprios cidadãos, mas trabalhar ativamente pelo crescimento global da paz, algo que a humanidade tanto precisa”. 

(MJ)

02/05/2017 19:49