Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

App:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Igreja na América

Vaticano poderá fazer nova tentativa de mediar crise na Venezuela

Multidões tem tomado as ruas das principais cidades venezuelanas para protestar contra o governo - EPA

25/04/2017 18:20

Caracas (RV) –  A situação na Venezuela continua a preocupar e a movimentar os esforços diplomáticos de vários países sul-americanos, na tentativa de mediar a crise.

O Vaticano poderia voltar a desempenhar um papel fundamental na mediação da crise, caso o Governo de Nicolás Maduro aceite as condições fixadas pelo Cardeal Pietro Parolin em dezembro passado.

A Ministra do Exterior da Argentina, Susana Malcorra, encontrou  o Papa na última sexta-feira, com quem “conversou longamente”  sobre a crise no país sul-americano. Francisco disse a ela que “está disposto em dar qualquer tipo de apoio” ao diálogo entre oposição e governo, mas para fazer isto, “Maduro deve aceitar os compromissos que lhe foram pedidos pela Igreja , e que até hoje não foram respondidos”.

Os 4 pontos da carta do Cardeal Parolin

De fato, o Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin enviou em dezembro passado uma carta ao governo venezuelano, em que fazia quatro pedidos: autorização para o envio de assistência humanitária; um calendário eleitoral claramente estabelecido; restituição das prerrogativas ao Parlamento e libertação dos prisioneiros políticos.

A mensagem foi acolhida com desdém pelo governo. O número dois do chavismo, Diosdado Cabello, chegou a acusar Parolin de ser um aliado da “oligarquia imperialista”, o que levou ao fracasso da primeira tentativa de mediação do Vaticano.

Antes de ser nomeado Secretário de Estado pelo Papa Francisco em 31 de agosto de 2013, o então Arcebispo Pietro Parolin era Núncio Apostólico na Venezuela, nomeado pelo Papa Bento XVI em 17 de agosto de 2009, em um período muito difícil para as relações entre Igreja e as autoridades políticas do país, na época guiado por Hugo Chávez. Portanto, é um profundo conhecedor da realidade venezuelana.

Unasul

O Ministro peruano do Exterior, Ricardo Luna, afirmou que a iniciativa - patrocinada pela União das Nações Sul-americanas (UNASUL), com o apoio da Santa Sé - “não serviu para nada”. Assim, chegou o momento de uma nova mediação guiada pelo Vaticano, junto com 12 países latino-americanos, que expressaram uma posição comum em relação à crise venezuelana.

Estes doze países – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, México, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai – subscreveram uma declaração comum, reiterando as mesmas quatro exigências contidas na carta enviada pelo Cardeal Parolin em dezembro.

Quer Malcorra como Luna ressaltaram a urgência de uma ação, diante da degradação da situação na Venezuela, onde a crise entre Executivo e Parlamento se consuma em meio a uma dura crise econômica,  que está provocando saques e revolta social.

Os recentes protestos em todo o país já causaram ao menos 20 mortes, além de centenas de feridos.

(JE com informações da Agência Ansa)

25/04/2017 18:20