Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Vaticano \ Eventos

O Sínodo em caminho com os jovens, segundo dia do encontro

Cardeal Baldisseri, Dom Fabene ao lado de dois jovens católicos voluntários, na apresentação do documento preparatório ao Sínodo - AP

07/04/2017 20:32

Roma (RV) –  A XV Assembleia do Sínodo terá precisamente como tema “os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, fato que torna inevitável o encontro entre estas duas realidades, no decorrer da iniciativa  "De Cracóvia ao Panamá", organizada em Roma de 5 a 9 de abril pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, e que reúne jovens e agentes da pastoral juvenil de 104 países.

Neste sentido, “caminho é a palavra que une o percurso das Jornadas Mundiais da Juventude e o Sínodo dos Bispos. A palavra Sínodo que significa justamente “Caminhar juntos””.

Foi o próprio Secretário Geral do Sínodo, Cardeal Lorenzo Baldisseri, a introduzir os trabalhos do segundo dia do encontro ao falar sobre o percurso por meio do qual, após uma ampla consulta, o Papa Francisco escolheu o tema.

Ele explicou que o Sínodo não é sobre os jovens (como objetos de estudo), nem dos jovens, pois o Sínodo é dos Bispos, mas é “com os jovens e para os jovens, que o Papa convida, na carta escrita por ocasião da apresentação do documento preparatório, a expressar e comunicar a sua fé.

O próprio Documento preparatório não é outra coisa que um percurso que quer estar em atenta escuta de todas as realidades e de profunda reflexão e cujos frutos serão colhidos somente ao final do percurso sinodal.

Uma introdução ao Documento preparatório, apresentado em janeiro passado, foi feita pelo Sub-Secretário do Sínodo, Dom Fabio Fabbene, que depois acompanhou todo o dia de trabalho.

“Queremos falar com os distantes e os indiferentes, mostrando a eles uma Igreja que cuida de seu presente e de seu futuro. Os jovens comprometidos na comunidade eclesial devem tornar-se missionários e próximos aos seus coetâneos, por meio de forma e itinerários que vocês mesmos irão propor às dioceses de vossos países”, afirmou aos presentes.

Dom Fabenne descreveu então os métodos de consulta e de aprofundamento das situações dos jovens no mundo, previstos pelos Padres sinodais, com a intenção de envolver os jovens, ouvi—los e fazê-los  sentirem-se protagonistas do evento.

Passou-se então à escuta de uma série de realidade nacionais por meio de duas mesas-redondas e numerosas participações dos delegados. Dos Estados Unidos, por exemplo, o convite para apresentar o Documento preparatório aos jovens de forma criativa e também com a utilização das redes sociais.

Na França, o consenso ao tema escolhido foi unânime e logo foi dado início a uma série de iniciativas diocesanas, na convicção de que a sinodalidade é a forma da Igreja moderna.

Nas Filipinas, já em março foi realizado um encontro nacional com os responsáveis locais pela pastoral juvenil; para a Igreja australiana, 2018 será o ano dos jovens; o Burundi apresenta muitos desafios diante dos quais existe a expectativa de uma fé consciente, responsável, madura, não superficial.

Já na Terra Santa - que compreende Israel, Jordânia e Palestina e que conta somente com 2% dos católicos – os jovens estão comprometidos em uma pastoral criativa para levar os jovens a Cristo, “sem apossar-se deles”. Por fim, na Colômbia, a Igreja é chamada a dar respostas aos problemas da pobreza, da violência e da secularização.

Na parte da tarde de quinta-feira, o professor Alessandro Rosina, docente de Demografia e Estatística na Universidade Católica de Milão e consultor do Sínodo, apresentou o trabalho desenvolvido para a primeira parte do Documento preparatório, relativos à análise da situação dos jovens hoje. A Igreja – afirmou - “deve estar sempre mais atenta em relação aos jovens e tornar-se experiência positiva em suas vidas, para poder ser escolhida por eles”. “É necessário jovens audazes”, disse ainda, citando o Papa Francisco, “conscientes de ser um valor para o mundo”.

Posteriormente, os delgados dividiram-se em grupos de trabalho, segundo a língua, para aprofundar as linhas sugeridas pelos responsáveis do Sínodo. Uma Missa presidida por Dom Fabene, concluiu o segundo dia de trabalhos.

O evento pode ser seguido nas redes sociais com o hashtag #Krakow2Panama e no site www.laityfamilylife.va.

(JE)

07/04/2017 20:32