Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

App:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Igreja no mundo

Bispos da Sicília: insanável oposição entre máfia e Evangelho

Panomâmica de Palermo, capital da Sicília, sul da Itália

20/03/2017 18:38

Palermo (RV) - “Todos aqueles que, de algum modo deliberadamente, fazem parte da máfia ou a ela aderem ou são coniventes, saibam que estão e que vivem em insanável oposição ao Evangelho de Jesus Cristo e, por conseguinte, à sua Igreja.”

É a forte advertência da Conferência episcopal regional da Calábria – sul da Itália – no comunicado final da sessão de primavera (no hemisfério norte) reunida nos dias 16 a 18 do corrente em Nicosia, província de Enna, em concomitância com o bicentenário das dioceses locais.

Proximidade aos jovens e às famílias feridas

O encontro teve a celebração de uma missa pontifical presidida na catedral pelo presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), Cardeal Angelo Bagnasco. Durante os trabalhos os dezoito bispos que compõem o Regional abordaram também outros temas que a Igreja siciliana tem a peito.

Da necessidade de uma “concreta, vigilante, paterna proximidade aos jovens, à intenção de produzir orientações comuns às Igrejas sicilianas para acompanhar, discernir e integrar as fragilidades das famílias e as situações irregulares.

A centralidade dos jovens e um forte não às máfias

Os bispos querem manifestar sua proximidade sobretudo aos jovens que não se resignam diante da situação de desemprego:

“Temos a convicção de que apostar nos jovens é um ato de lucidez política”, ao qual, hoje e não amanhã, “não se deverá eximir as instituições voltadas a criar as condições para incrementar a ocupação no sul”.

A propósito, os bispos sicilianos dizem não a lógicas de clientelismo, lentidões burocráticas, e às investidas da criminalidade organizada. Diante de tantos recursos dos quais a Sicília é rica, os bispos locais pedem que os jovens sejam colocados no centro e se diga um não “contundente às máfias, às ilegalidades, à corrupção e à violência”. (RL)

20/03/2017 18:38