Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

App:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Geral

Crônica: A Virgem Maria segundo o Islamismo

Ícone de Nossa Senhora em Igreja atacada pelo ISIS no Iraque - AFP

18/03/2017 05:55

Dubai (RV*) - Amigas e amigos, é notório que a falta de conhecimento nos leva a interpretações incorretas sobre acontecimentos, pessoas, culturas e religiões e dificulta que nos aproximemos uns dos outros.

Não é de surpreender se belas figuras ou pessoas maravilhosas no mundo das religiões, muitas vezes, são vistas como foco de conflitos e discórdias. Entre elas encontramos a mulher mais famosa da história da humanidade, Maria. Muita gente a considera como uma pessoa merecedora de todas as honras enquanto grupos a têm como alvo de insultos. O motivo desta polarização, talvez nem seja a pessoa de Maria, mas a disputa de hegemonia entre grupos religiosos que usam de sua figura para confrontações entre si e conseguir espaço religioso, desprestigiando o que é importante para quem é diferente.

Em teoria, seria lógico que as denominações cristãs, tendo as Escrituras como base, deveriam estar mais próximas no conhecimento e apreço por Maria.

O Islã, que não faz parte das inúmeras igrejas e grupos cristãos, no seu Livro Sagrado, sura 3,42, lemos, “Maria, mãe de Jesus”. Continua dizendo: “Recorda-te de quando os anjos disseram: “Ó Maria, é certo que Deus (Alá) te elegeu e te purificou, e te preferiu a todas as mulheres da humanidade!".  

Ressalta que dentre as majestosas expressões de Seus atos, Deus criou Adão por Sua vontade, sem pai nem mãe, criou Eva a partir de Adão, porém sem mãe, e criou Jesus a partir de Maria, mas sem pai. Quando Deus (Alá) deseja criar, Ele manifesta o comando "Seja" e aquilo que é comandado aparece de imediato.

Dentro dessa perspectiva, o Sagrado Alcorão (Sura 3:45-48) assim relata a anunciação a Maria: “E quando os anjos disseram: Ó Maria, verdadeiramente Alá te anuncia o Seu Verbo, seu nome será o Messias, Jesus, filho de Maria.”.

Ela perguntou: “Ó meu Senhor, como poderei ter um filho se nenhum homem jamais me tocou?”.

Ele disse: “Assim será, Deus (Alá) cria o que deseja. Quando decreta algo, Ele apenas diz: "Seja!" e é.

O clérigo Sheik Muhammad Ragip Al-Jerarri, declara: “Dentre as religiões reveladas, nós muçulmanos consideramos o cristianismo a mais próxima, uma vez que, tal como os cristãos, nós honramos e amamos Jesus e sua abençoada mãe, a Virgem Maria, honrada neste mundo e no outro, e estará entre os próximos a Deus (Alá.)

*Missionário Pe. Olmes Milani CS, para a Rádio Vaticano

18/03/2017 05:55