Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

App:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Angelus

Papa e a preocupação pós-terremotos: mais respostas concretas às famílias

Igreja de Santo Agostinho em Amatrice - EPA

30/01/2017 17:10

Cidade do Vaticano (RV) – A região central da Itália voltou a tremer no final de semana e o Papa Francisco, durante o Angelus de domingo (29), dirigiu-se novamente às famílias atingidas pelos terremotos e pelo excepcional período de frio e chuvas do inverno europeu.

“Que não falte a esses nossos irmãos e irmãs o constante apoio das instituições e a solidariedade comum. E, por favor, que qualquer tipo de burocracia não os faça esperar e sofrer mais”, disse o Papa depois da oração mariana do Angelus.

O prefeito da cidade de Amatrice, Sergio Pirozzi, ao comentar as palavras de proximidade e encorajamento de Francisco disse que releu  várias vezes a mensagem do Pontífice. E acrescentou: o Papa “tocou temas que compartilho, são palavras que pronuncio há meses. É muita burocracia que faz sofrer a minha comunidade e que, a humildade, como a caridade, é uma virtude essencial para a convivência nas comunidades. Eu já disse que tem muita gente agarrada às coisas. Não percebem o quanto têm sorte, porque estão vivos. Sou contra essa gente e contra quem instrumentaliza a dor da minha comunidade”, finalizou o prefeito Pirozzi.

No último domingo (29), depois do sismo de magnitude 3,8 na escala Richter com epicentro registrado próximo a Amatrice às 6h10 (horário italiano), caiu mais uma parede da igreja de Santo Agostinho que já estava quase totalmente destruída pelos terremotos que atingiram a região nos últimos meses. Felizmente, com o novo tremor, não foram registrados outros desabamentos significativos e nem pessoas envolvidas.

Segundo dados da Proteção Civil da Itália, até agora são mais de 14.800 pessoas atendidas depois dos terremotos de 24 de agosto, 26 e 30 de outubro de 2016 e de 18 de janeiro deste ano. Mais de 10 mil estão sendo hospedadas em hotéis e em diferentes regiões, enquanto que cerca de 500 pessoas estão sendo acomodadas nas suas próprias cidades através de containers ou motorhomes, e mais de 2500 pessoas estão alojadas em ginásios de esportes. (Ansa/AC)

30/01/2017 17:10