Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

App:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Igreja no mundo

Arcebispo de Milwaukee. "Protestar é um direito, atirar não"

Um policial morreu nos choques com manifestantes - REUTERS

16/08/2016 11:46

Milwaukee (RV) – “A raiva e a dor são certamente compreensíveis, mas a violência nunca é justificável como resposta”. É o que escreve Dom Jerome Listecki, arcebispo de Milwaukee, nos EUA, em nota divulgada à cidadania. Uma pessoa foi baleada e oito policiais ficaram feridos domingo (14/08), após a morte de um jovem negro por um policial no sábado.  

Choques com tom racial

Depois de duas noites de choques entre manifestantes e policiais em confrontos de tom racial, Tom Barrett, prefeito de Milwaukee, no estado de Wisconsin, decretou toque de recolher para adolescentes a partir das 22h, por uma semana, o que levou aos confrontos. 14 pessoas teriam sido presas.   

O tumulto levou o governador de Wisconsin, Scott Walker, a colocar a Guarda Nacional em estado de atenção. 

O protesto é um direito, a violência não.

Dom Listecki expressa sua dor pelo episódio, pelas desordens, os incêndios e os saques que devastaram a cidade, especialmente o bairro de Sherman Parck, “já economicamente com problemas”. “Protestar é um direito de todo cidadão – escreve o bispo – mas incendiar, atirar e saquear não. Aqueles que cometeram estes atos feriram a comunidade à qual afirmam representar”.

Apelo à paz

Ao contrário, explica o arcebispo de Milwaukee, o necessário seria “apoiar as famílias, reaquecer a economia e combater o crime”, porque esta é “a fórmula para desativar a mentalidade violenta. Ele exorta a “despertar a fé em Jesus Cristo e no Evangelho”, diante da única verdadeira transformação que muda corações e mentes na humanidade. Enfim, Dom Listecki reza pelas famílias e as forças policiais envolvidas e lança um apelo “pela paz na comunidade de Milwaukee e em todo o mundo”. 

16/08/2016 11:46