Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Especiais \ Igreja

Laudato si - Francisco e a Irmã Terra

A Terra vista do espaço, em foto da NASA de 1968 - AP

01/05/2016 08:00

IRMÃ TERRA

FRANCISCO  Paz e bem!... Bênçãos, boa onda, energias positivas para quem me escuta. Sou Francisco. Sim, Francisco de Assis. No meu tempo, “Assis” era um pequeno povoado, “Assis” de pequenino... Sem brincadeira, vocês devem estar se perguntando o que eu faço aqui. Bom, disseram-me que há problemas graves em nossa casa comum. Também me disseram que há um Papa que escreveu uma carta sobre tudo isso, um Papa que se chama Francisco, como eu... Ou eu me chamo como ele... Dá na mesma, entre chicos nos entendemos. Pois foi para isso que eu vim, para ver o que está acontecendo com a irmã Mãe Terra e com suas criaturas...

TERRA Psiu!... Psiu!

FRANCISCO Ouço um assobio... Quem me chama?... Quem?

TERRA Sou eu, Francisco. Sua mãe.

FRANCISCO Minha mãe, dona Pica?

TERRA Não, Francisco. A Mãe Terra. A que você chama irmã Mãe Terra.

FRANCISCO Sim, pois é...

TERRA E me alegra que me chame assim, porque você e todos os seres vivos nascem em mim, de mim se alimentam e, quando se corta o fio da vida, a mim retornam.                              

FRANCISCO Mas você me parece triste, Mãe Terra... o que você tem, o que está acontecendo?

TERRA Lembra, Francisco, quando chegou, caminhando, ao vale de Rieti, na metade da Itália?

FRANCISCO O lugar mais bonito que já vi na vida... Todo verde, exuberante, rodeado de montes com seus cumes nevados... E mananciais cristalinos com água limpa e fresca... Um paraíso, Mãe Terra.

TERRA Eu tinha mil paraísos como esse, Francisco. Minha pele verde cobria países  inteiros, continentes. Tinha matas, rios, lagoas, vales esplendidos...

FRANCISCO Por que você diz “tinha”? O que aconteceu, Mãe Terra?

TERRA   Você passou muito tempo fora, Francisco. Não viu como os humanos sujaram a casa comum... Não sente o fedor?

FRANCISCO Cheira mal, sim... talvez um animal morto...

TERRA  Não, é que perto daqui há um lixão... E mais outro ali... E lá outro... Todas as cidades do mundo estão rodeadas de montanhas de lixo, garrafas, toneladas de plástico... Nem um exército de bactérias poderia limpar tanta sujeira.

FRANCISCO Por que isso acontece, Mãe Terra?

TERRA   Por algo que não ocorria no seu tempo, Francisco, e que o teu xará chama “cultura do descarte”.

FRANCISCO Não te entendo. Como?

TERRA Diga-me, Francisco, o que fazia tua mãe quando você sujava as fraudas?

MÃE  Lavá-las, pendurar no varal e, esperar que sequem... porque este Chiquinho é muito mijão!

TERRA   Agora não. Agora as fraudas são jogadas fora e se compram novas. E o que fazia tua mãe quando os seus sapatos estragavam?

MÃE  Mestre sapateiro, trago aqui as botinhas de Chiquinho para que as conserte...

SAPATEIRO Com prazer, dona Pica...

TERRA   Agora não. Agora se joga fora e compram sapatos novos. E assim com tudo. Tudo é descartável. Tudo é jogado fora. (FURIOSA) No mundo, nos últimos quarenta anos, jogaram mais lixo em cima de mim que em toda a história da humanidade. Já chega! Eu não aguento mais!

FRANCISCO        Não acredito...

TERRA   Roupa, papéis, móveis, pneus, televisores, carros, celulares, computadores... Um escândalo! Agora muitos aparelhos são fabricados para quebrar logo e não possam ser consertados.

FRANCISCO Não conheço algumas das coisas que menciona...

TERRA   E não só jogam coisas fora. Jogam comida!

FRANCISCO Comida? É por que já não há pessoas com fome?

TERRA   Há muita gente com fome! Milhões de crianças vão dormir todas as noites sem um pedaço de pão para matar a fome. Um crime, Francisco! Um terço da comida que se produz no mundo não se come. É jogada no lixo. 

FRANCISCO  Como é possível que façam isso? O alimento que se descarta é como se o roubassem da mesa do pobre.

TERRA   Sobre mim, Francisco, há um punhado de gente que se acha no direito de  ter tudo, de comprar tudo, de descartar tudo, e se esquecem de quem não  tem nada..Essas são as pessoas da cultura do descarte.

FRANCISCO No meu tempo as coisas eram compradas para a vida toda. Até para a vida dos que viriam depois. Herdávamos os pratos, a roupa, os brinquedos...

TERRA   E se te conto outras desgraças... Anda, Francisco, anda e conversa, como você fazia, com os pássaros, com as árvores, com o irmão Sol e a irmã Lua. Fala com eles e compreenderá minha raiva. Por isso, o teu xará, o Papa Francisco escreveu uma carta intitulada Laudato Si.

FRANCISCO Então tomou emprestado o título porque assim começa um cântico que eu compus... Laudato Si, Louvado Sejas, meu Senhor. Posso contar-lhe um segredo, Mãe Terra?

TERRA   Conte, Francisco.

FRANCISCO        Uma vez cheguei à capela de São Damião... Era uma capela abandonada perto do meu povoado. Eu comecei a rezar. E  estava rezando quando senti  que Jesus Cristo, me falava lá da cruz...

JESUS    Francisco, não está vendo que minha casa vai ruir?... Conserte-a!

TERRA   E o que você fez, Francisco?

FRANCISCO Eu fui comprar andaimes, argamassa... Pensei que Deus queria que consertasse a igreja de pedras. Depois entendi que se tratava de pedras vivas, da comunidade. E agora, agora estou entendendo que há que reparar a ti, irmã Mãe Terra. Reparar para que os que venham depois de nós encontrem uma casa limpa e acolhedora.

TERRA   Mas ainda há tempo de realizá-lo, Francisco, ainda há tempo!

Diz o Papa Francisco em sua encíclica Laudato Si, Louvado Sejas:

Produzem-se anualmente centenas de milhões de toneladas de resíduos,  muitos deles não biodegradáveis: resíduos domésticos e comerciais, detritos de demolições, resíduos clínicos, electrónicos e industriais, resíduos altamente tóxicos e radioactivos. A terra, nossa casa, parece transformar-se  cada vez mais num imenso depósito de lixo... Nunca maltratámos e ferimos a nossa casa comum como nos últimos dois séculos. (Laudato Si 21, 53)

E disse o Papa Francisco nas Nações Unidas:

Os mais pobres são os que mais sofrem estes atentados por um tríplice grave motivo: são descartados pela sociedade, são, ao mesmo tempo, obrigados a viver do lixo e devem injustamente sofrer as consequências do abuso do ambiente.

 

PERGUNTAS PARA O DEBATE

1- No teu bairro e em tua comunidade existe cultura do descarte? Você compra somente o necessário?

2- Você se classificaria como uma pessoa consumista? E a tua família? E teus amigos e amigas?

3- Há fome em teu país? Quem são os responsáveis?

 

01/05/2016 08:00