Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Igreja no mundo

Libertado sacerdote sequestrado na Síria

Ainda existem pelo menos 8 religiosos sequestrados na Síria, incluindo sacerdotes e bispos - EPA

16/08/2015 15:31

Damasco (RV) – O Padre melquita-católico Tony Boutros, foi libertado na noite de sábado (15). A notícia foi confirmada pelo Núncio em Damasco, Dom Mario Zenari falando à Rádio Vaticano.

“Sim, a notícia me foi confirmada na tarde de ontem, no final da tarde, pelas 17h30-18hs, pelo seu Bispo, Dom Nicolas Antiba, Metropolita de Bosra e Hauran. Esta notícia, um pouco já circulava uns dias antes, e naturalmente foi acolhida – no dia da Assunção – como um bonito presente de Nossa Senhora, a libertação do Padre Boutros. Os detalhes ainda não os conheço”.

O Padre Boulos está em boas condições?

“Devo dizer que não sei muito bem pois as comunicações, como o senhor sabe, aqui são também um pouco difíceis. Mas, de qualquer forma, acredito que esteja em boas condições. Após a libertação do Padre Boutros, ocorrida ontem, existem ainda nas mãos dos sequestradores seis eclesiásticos, entre os quais dois bispos ortodoxos. Da experiência que adquirimos, cada caso é um caso particular, não são todos iguais. Queremos esperar ter o mais breve possível boas notícias também sobre estes seis eclesiásticos, alguns sequestrados há mais de dois anos e meio”.

Inúmeras fontes falavam de uma provável libertação, mas não havia nenhum comunicado oficial. O Padre Boutros é responsável pela Igreja de São Felipe Apóstolo na cidade síria de Shahba, onde foi sequestrado.

Na Síria e nas regiões vizinhas, nos últimos anos, foram sequestrados inúmeros sacerdotes católicos e ortodoxos. Algumas fontes falam de pelo menos oito. Entre estes está o jesuíta italiano Paolo Dall’Oglio, sequestrado em julho de 2014 e dois Bispos ortodoxos: o Metropolita Greco-ortodoxo Boulos Yazidi e o Arcebispo Sírio-ortodoxo Yohanna Ibrahim, sequestrados em Aleppo, em 22 de abril de 2013. (JE)

 

16/08/2015 15:31